Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Colheita de grãos deve crescer 2,5% em 2021 e bater recorde de 260,5 milhões de toneladas, diz IBGE - Expresso FM 100,1


No comando: EXPRESSO DA MADRUGADA

Das 00:00 às 05:00

No comando: EXPRESSO RURAL

Das 05:00 às 07:00

No comando: SERTÃO EM FESTA

Das 05:00 às 10:00

No comando: DOMINGÃO SERTANEJO

Das 06:00 às 10:00

No comando: JORNAL DA ITATIAIA

Das 07:00 às 07:45

No comando: SHOW DA MANHÃ

Das 08:00 às 10:00

No comando: EXPERIÊNCIA DE DEUS

Das 10:00 às 11:00

No comando: TÚNEL DO TEMPO

Das 10:00 às 14:00

No comando: PASSANDO A LIMPO

Das 11:00 às 13:00

No comando: REPÓRTER EXPRESSO

Das 12:00 às 13:00

No comando: RITMOS DA EXPRESSO

Das 13:00 às 15:00

No comando: TOP MAIS

Das 13:00 às 16:00

No comando: PROGRAMAS GOSPEL

Das 14:00 às 16:00

No comando: TARDE NOSSA

Das 15:00 às 17:00

No comando: BAILÃO DA EXPRESSO

Das 16:00 às 19:00

No comando: AO POR DO SOL

Das 17:00 às 20:00

No comando: DEIXA ROLAR

Das 18:30 às 00:00

No comando: MUSIC EXPRESS

Das 19:00 às 21:00

No comando: EXPRESSO NOTURNO

Das 20:00 às 21:00

No comando: NA PISTA

Das 21:00 às 00:00

No comando: VOZ DO BRASIL

Das 21:00 às 22:00

No comando: SOFT NIGHT

Das 22:00 às 00:00

Colheita de grãos deve crescer 2,5% em 2021 e bater recorde de 260,5 milhões de toneladas, diz IBGE

A colheita de grãos do Brasil deve atingir um volume recorde de 260,5 milhões de toneladas em 2021, uma alta de 2,5% em relação a 2020, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (13), por meio do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA).

Enquanto a produção de soja deve ter um novo aumento (+6,8%), as colheitas de milho de 2ª safra (-1,8%) e o algodão herbáceo (-14%) devem recuar.

A colheita do arroz (-0,8%) e do feijão (-3%) também devem recuar. No caso do arroz, serão cerca de 47 mil toneladas a menos. Porém, o IBGE destaca que a produção do cereal deve ser suficiente para abastecer o mercado interno do país.

No caso do feijão, serão 86,4 mil toneladas a menos.

Via: Portal G1

Deixe seu comentário:

CURTA NO FACE!

Equipe

Nossas Redes