Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

MEDO DO HIV DIMINUI, E CASOS DA DOENÇA AUMENTAM 797,5% EM MINAS GERAIS - Expresso FM 100,1


No comando: EXPRESSO DA MADRUGADA

Das 00:00 às 05:00

No comando: EXPRESSO RURAL

Das 05:00 às 07:00

No comando: SERTÃO EM FESTA

Das 05:00 às 10:00

No comando: DOMINGÃO SERTANEJO

Das 06:00 às 10:00

No comando: JORNAL DA ITATIAIA

Das 07:00 às 07:45

No comando: SHOW DA MANHÃ

Das 08:00 às 10:00

No comando: EXPERIÊNCIA DE DEUS

Das 10:00 às 11:00

No comando: TÚNEL DO TEMPO

Das 10:00 às 14:00

No comando: RITMOS DA EXPRESSO

Das 11:00 às 12:00

No comando: PASSANDO A LIMPO

Das 11:00 às 13:00

No comando: REPÓRTER EXPRESSO

Das 12:00 às 13:00

No comando: TOP MAIS

Das 13:00 às 16:00

No comando: PROGRAMAS GOSPEL

Das 14:00 às 16:00

No comando: TARDE NOSSA

Das 14:00 às 16:00

No comando: BAILÃO DA EXPRESSO

Das 16:00 às 19:00

No comando: AO POR DO SOL

Das 16:00 às 19:00

No comando: DEIXA ROLAR

Das 18:30 às 00:00

No comando: VOZ DO BRASIL

Das 19:00 às 20:00

No comando: MUSIC EXPRESS

Das 19:00 às 21:00

No comando: EXPRESSO NOTURNO

Das 20:00 às 22:00

No comando: NA PISTA

Das 21:00 às 00:00

No comando: SOFT NIGHT

Das 22:00 às 00:00

MEDO DO HIV DIMINUI, E CASOS DA DOENÇA AUMENTAM 797,5% EM MINAS GERAIS

Por não vivenciarem terrores do passado, como as mortes por Aids, a população mais jovem abriu mão de se proteger. O preservativo caiu em desuso, e os efeitos começam a aparecer.

Em Minas Gerais, houve um aumento de 112% no números de casos de HIV/Aids nos últimos 20 anos. Foram 1.570 em 1999 (ano todo), contra 3.344 de janeiro a 1 de novembro deste ano – uma média de 11 registros por dia. Em Belo Horizonte, o aumento é ainda maior. Foram 359 casos de janeiro a 1 de novembro de 2019, um aumento de 797,5% em comparação com o ano todo de 2010, quando foram 40.

Além do HIV/Aids, outras infecções sexualmente transmissíveis tiveram aumento, como a sífilis, já considerada epidemia no Brasil, que tem gerado 54 casos por dia no Estado, em média.

Fatores. Uma das explicações para o aumento vertiginoso dos casos é a mudança da cultura da população.

Para a superintendente de Vigilância Epidemiológica da SES, Jordana Costa Lima, os jovens estão se arriscando mais justamente por não terem vivenciado a fase em que o diagnóstico de Aids representava quase uma sentença de morte.

A facilidade de acesso ao diagnostico e a melhoria da qualidade de vida também contribuem para o aumento, segundo ela. “Hoje a vida sexual começa mais cedo e termina mais tarde”, pontuou.

No entanto, em muitos casos, as infecções não apresentam sintomas ou só vão apresentar em um estágio mais avançado. Com isso, de acordo com o professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG Unaí Tupinambás, a quantidade de pessoas infectadas pode ser muito maior do que os números oficiais, uma vez que grande parte da população não sabe que possui a doença.

“Não se fala de sexualidade nas escolas, existe o tabu de achar que isso vai estimular os jovens (a praticar sexo antes da hora). Com isso, as pessoas não se veem no risco. No começo dos relacionamentos, o uso do preservativo é natural. Mas, quando a relação está estabilizada, isso se perde. Com os jovens, é ainda mais arriscado por eles estarem numa fase de descobertas, na qual a vida sexual é mais ativa. Transam mais e com um número maior de pessoas”, destaca Tupinambás.

Vencendo a doença há 25 anos

Infectada pelo vírus HIV há 25 anos, a assistente social Heliana Moura, 50, descobriu que era soropositiva depois que ouviu boatos de que um ex-namorado tinha a doença. Hoje, ela trabalha em um Centro de Testagem e Aconselhamento da capital entregando o resultado de exames de HIV.

Segundo ela, a reação das pessoas ao receberam o diagnostico não é muito diferente de alguns anos atrás. “Apesar dos avanços, as pessoas ainda têm medo da morte e também medo do preconceito”, relatou.

Até hoje, não há cura para o HIV/Aids, mas há, atualmente, controle total com o coquetel anti-HIV, uma combinação de drogas que ataca o vírus e evita as complicações derivadas da imunodeficiência. Quando a pessoa é diagnosticada com HIV, significa que ela é portadora do vírus, mas não desenvolveu a doença. Já a Aids é a manifestação do vírus HIV, que ataca o sistema imunológico.

Quando Heliana recebeu o diagnóstico de HIV, ela achou que ia morrer. “Era o mesmo de receber uma sentença de morte. Mudei de Estado, recomecei minha vida em outro lugar. Quando me deram o diagnóstico, fui julgada (pela equipe de saúde). Quem me atendeu, na época, colocou promiscuidade como motivo (da doença) na ficha”, desabafou ela, que até hoje não teve complicações decorrentes do HIV.

Deixe seu comentário:

CURTA NO FACE!

Equipe

Nossas Redes